terça-feira, 29 de dezembro de 2015

7 Free Tools for Building Review Games

One teacher's needs are little bit different from another's so this list covers a fairly wide range of options.

TinyTap is a good iPad and Android app for creating your own review games based on pictures and diagrams. You can create games in which students have to identify parts of picture or diagram. You can also build games in which your students have to assemble a puzzle by dragging and dropping pieces into place (the puzzle does not have to follow the jigsaw puzzle format). Click here to see a selection of games that teachers have made and published through TinyTap. 

ClassTools.net offers a handful of templates for building your own educational games. Through ClassTools.net you could build a Pac-Man style game, a Connect Four style of game, or build a QR code treasure hunt for your students.

Socrative and Kahoot continue to be my two favorite platforms for hosting fast-paced review quizzes. Both services allow you to create quizzes and host quizzes that your students complete through their mobile devices or laptops. Students can receive instant feedback on each question (if you allow that option) and a final score. In both tools you can include pictures as part of your questions. Socrative allows you to host team activities that they call "space races."

If a Jeopardy-style game is what you're after, eQuizShow, Jeopardy Rocks, and FlipQuiz are worth giving a try. None of the three services requires you to download any files to create your activities. All three services provide text-based questions for free. eQuizShow and FlipQuiz support picture-based questions if you upgrade to their premium plans. Click here to learn more about FlipQuiz, eQuizShow, and Jeopardy Rocks.









sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Technology and the Future of Classroom Learning

Only thirty years ago, the future of classroom learning seemed pretty secure. Students sat in neat rows of desks. Or if the teacher was on the progressive side, they might have those desks arranged into table groups. No matter the desk arrangement, each student had a clear view of the chalkboard. That was the center of every classroom, because that was where the teacher most often dispensed information.

Students also had clear expectations about how, when and what they were learning at any given moment in their highly scheduled day.

School was a place to learn because that’s where the learning materials were. The teachers, administrators and textbooks were all within those scholarly walls. And occasionally, if the school was wealthy and cutting edge, one single computer was nestled into the back corner of the room. This was just the way things were, and how we expected them to always be.

But things have already started to change. Here are a few ways technology will affect the future of classroom learning:

Less Teachers, More Algorithms

The trend towards computerization has already started. All across the world there are “blended” classrooms, those which combine the best of human instruction with programs designed to track and monitor student progress. For instance, the teacher uses a computerized curriculum that constantly quizzes students on the material they have learned. Based on these assessments, students can either move on to the next lesson or must review with the teacher until they master the lesson.

In such a classroom, there will be less need for traditional lecture style teaching, and more need for teachers as facilitators, allowing for higher and higher student/teacher ratios.

Less Classrooms, More Chatrooms

One other unexpected change just on the horizon of classroom learning is the need for a classroom at all. There is already a virtual education movement being led by organizations such as K12 and Connections Academy, to move public education fully online. The teachers and students at these schools never meet face-to-face in a “bricks and mortar” classroom, but rather meet at prearranged times online, often utilizing conferencing applications such as Skype, Tinychat or Google Hangouts.

Champions of online learning state that the online platform offers incredible benefits to learners, including the ability to overcome demographic and geographic challenges. And just like the “blended” classroom setting mentioned previously, online learning environments are customized to individual learners.

Whether students physically congregate in the same building or only virtually congregate online, there will always be a need, as far as we can tell, for congregation of some kind. So in that sense, schools will not become a relic of the past any time in the near future.

Less Textbooks, More Web Pages

However, textbooks, have already become somewhat of a relic for some teachers, though printing itself has become a sustainable industry. The fact is, we live in the information age, and print just can’t keep up.

For instance, a few years ago, scientists announced that Pluto was no longer classified as a planet. In the print world, it will take ten years or more for that single fact to be updated in all the textbooks in circulation around the country. However, on sites like Wikipedia, that fact can be corrected in two minutes.

In the future, printed materials will be used for recreation and luxury items, but not as a primary way of distributing information.

Less Drills, More Games

Long gone will be the days of memorizing spelling and math facts, the act of which often encourages students not to think.

In future classrooms, students will be playing games instead of memorizing facts. The reason games are so beneficial to student learning is that they provide a safe place for students to make mistakes and receive immediate feedback.

In a good game, a player must make mistakes, learn, improve and then finally feel successful. If the game does not follow this pattern, it would either feel too easy, too hard, or just plain boring. Coincidentally, this mistake-feedback-success loop is an excellent way to motivate learners of all ages.

Information is King

So while we can’t predict whether students will be wearing computerized glasses and watches, or if they can print out their homework assignments on a 3D printer, we can predict some things about the future of learning.

Most certainly, there will be less emphasis on the dispensing information from teacher to student and more emphasis on how to find, sort, and use that information wisely.

Author bio:

Nick Rojas is freelance writer, Californian, traveler, loving Husband. Fan of Oxford Commas and cursive.

7 Cloud Based Authoring Tools Compared

7 Cloud Based Authoring Tools Compared

When you enter this classroom

Storyboards in the Classroom - A Webinar Recording

Storyboards in the Classroom - A Webinar Recording

20 Writing and Reading Apps for the Classroom


8 New Presentation Tools for Teachers


A Great List of Web Tools That Don't Require Registration

A Great List of Web Tools That Don't Require Registration

United Kingdom Literacy Association




quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Chronas - Interactive Historical Map and Data Sets

Chronas - Interactive Historical Map and Data Sets

Should You Let Your Child Win at Monopoly?


Aprender a ensinar implica pensar no que significa ser professor

O artigo “Formação de Professores: Questões Críticas e Desafios a Considerar”, de autoria da investigadora do CIEC Maria Assunção Flores, publicado no relatório Estado da Educação 2014 do Conselho Nacional de Educação, foi alvo de matéria publicada pelo site “EDUCARE”.

Formar futuros professores é um caminho com várias etapas. No nosso país, detetaram-se alguns problemas como a falta de tempo e de condições para o desenho e desenvolvimento de um projeto de intervenção e a irrelevância de alguns módulos na promoção de competências profissionais. Maria Assunção Flores destaca alguns pormenores deste processo.

A formação pode fazer a diferença na aprendizagem dos futuros professores e na melhoria do ensino e aprendizagem dos alunos. É um dos fatores decisivos para a melhoria da Educação, mas é preciso analisar diversos aspetos. “Se se pretende que a formação de professores faça a diferença, é necessário elaborar programas de formação de qualidade, desenvolver uma visão clara e explícita sobre o processo de aprendizagem do professor e perspetivas pedagógicas específicas e investir na qualidade dos formadores de professores”, sublinha Maria Assunção Flores, investigadora do Centro de Investigação em Estudos da Criança da Universidade do Minho, no artigo “Formação de Professores: Questões Críticas e Desafios a Considerar”, publicado no relatório Estado da Educação 2014 do Conselho Nacional de Educação. “Mas é também fundamental desenvolver competências de investigação, coordenar e articular, de forma explícita, as várias componentes do currículo, refletir e partilhar práticas pedagógicas, integrar o ensino e a investigação na prática e incluir a dimensão ética, cultural e política para que a formação de professores possa, de facto, ser encarada como um espaço de (trans)formação”, acrescenta. 

Como aprender a ensinar? Aprender a ensinar implica aquisição de destrezas e de conhecimentos técnicos e desencadeia um processo pessoal, reflexivo e crítico sobre o que significa ser professor e sobre os valores e propósitos implícitos nas próprias ações e nas instituições em que se trabalha. “O sentido de identidade profissional constitui um elemento central no processo de tornar-se e de ser professor”, escreve a investigadora, que se tem debruçado intensamente sobre o assunto. Há então perguntas que têm de ser feitas. Que tipo de professor se pretende formar? Que professor se está a formar? Quais os conhecimentos e competências a valorizar? Como discutir o papel do professor numa sociedade em permanente mudança? Os professores devem ser executores ou agentes do currículo? 

“Aprender a ensinar constitui um processo complexo e multifacetado que começa antes da entrada num curso de formação inicial de professores e é influenciado por um conjunto de variáveis, de perspetivas, de crenças e de práticas, por vezes conflituais, que marcam a transição de aluno a professor”, refere Maria Assunção Flores. Aprende-se observando, não basta apenas a aquisição de saberes sobre o ensino, e as oportunidades e experiências são importantes para se ser bom professor. “A formação de professores deve centrar-se não apenas no que os professores devem saber e ser capazes de fazer, mas também no modo como os professores, enquanto agentes de mudança, pensam e no modo como são capazes de transformar a sociedade”, refere. 

Em Portugal, segundo dados recolhidos no âmbito da formação inicial de professores pós-Bolonha, detetaram-se alguns problemas neste processo como a falta de tempo e de condições para o desenho e desenvolvimento de um projeto de intervenção; uma insuficiente coordenação; alguns seminários ou módulos foram considerados irrelevantes na análise de contextos e desenvolvimento de competências profissionais; e notou-se ainda a inadequação de modalidades de avaliação nalguns seminários e módulos. 

Criatividade e liderança 
Analisar o tema implica também refletir sobre políticas de formação, programas e currículos, pedagogia da formação e ainda sobre o papel dos formadores de professores. “De um modo geral, no contexto europeu, a formação dos professores tem sido identificada como uma prioridade na medida em que aqueles são vistos como ‘atores decisivos no modo como os sistemas educativos evoluem’”. Há vários princípios que têm sido indicados para orientar a formação de professores porque aprender a ensinar envolve continuamente exigências conflituais e concorrentes, aprender a ensinar exige uma visão do conhecimento como disciplina em vez de uma disciplina criada, aprender a ensinar implica a existência de conexões significativas entre escolas, universidades e os futuros professores. 

Há várias questões a considerar nesta equação: a qualidade do conhecimento dos professores, a reflexão crítica sobre situação da sala de aula e da escola, a capacidade para integrar o conhecimento e para lidar com a complexidade, a capacidade para se adaptar às necessidades individuais e coletivas dos alunos. Apesar de muitas variações nesta matéria, há competências consideradas centrais na formação de professores: conhecimento da disciplina a ensinar, conhecimento da pedagogia, integração da teoria e da prática, cooperação e colaboração, um sistema de autoavaliação, mobilidade, dinamismo, criatividade e liderança. 

“Têm sido identificadas discrepâncias entre o que os alunos futuros professores aprendem nos seus cursos e a sua experiência prática nas escolas e a falta de articulação entre as várias componentes de formação, muitas vezes associada à separação histórica e curricular entre as disciplinas mais teóricas e as mais práticas e à desconexão entre o conhecimento teórico/propositivo e prático/procedimental, bem como às tensões entre a lógica profissional e académica na formação dos professores”, revela a investigadora. 

A preocupação com a qualidade e a eficácia da formação de quem ensina aparece recorrentemente nos estudos sobre a matéria. Nos Estados Unidos, a tendência é para a prestação de contas numa lógica de evidência e a qualidade da formação “é avaliada através de indicadores de eficácia do trabalho dos novos professores, obtidos nos resultados de testes estandardizados dos seus alunos”. Na Finlândia, caso de sucesso nos resultados dos alunos em programas internacionais de avaliação, é diferente, sobressai a elevada qualidade da formação de quem ensina. O modelo finlandês é então lembrado. Neste país, os programas baseiam-se na evidência empírica e no desenvolvimento das competências metacognitivas dos futuros professores através da reflexão e raciocínio pedagógico. 

Analisar e discutir a pedagogia   
A articulação entre teoria e prática também surge quando se aborda a formação dos futuros professores e a investigação aparece como um elemento importante porque pode potenciar essa articulação, “não no sentido de uma conceção de professor como executor de teorias produzidas pela investigação académica, que desvaloriza as suas teorias pessoais e o papel da experiência na construção do profissionalismo docente, mas através de uma nova pedagogia da formação baseada em problemas e preocupações emergentes dos contextos reais, na reflexão sistemática dos professores sobre o seu pensamento e a sua ação, e na interação entre os professores e os formadores e supervisores no sentido da consciencialização e reconstrução da prática”. 

Investigar a própria prática é fundamental. “Um modelo de formação orientado pela e para a investigação é essencial para o desenvolvimento do ensino e do conhecimento sobre o ensino através da pesquisa, incluindo a análise dos contextos de trabalho dos professores.” Dessa forma, os alunos futuros professores assumem-se como alunos mas também como investigadores, o que, refere a autora do artigo, “implica o desenvolvimento de competências investigativas e de uma postura crítica face ao ensino e aos contextos da sua realização”. 

O estágio, a aprendizagem no local de trabalho, é visto como um elemento chave para “potenciar a coerência, relevância e eficácia da formação, embora não haja consenso quanto à sua duração, localização no currículo da formação, nem quanto à sua forma e conteúdo”. O estágio é, no entanto, reconhecido como a experiência mais relevante para quem quer ensinar. E os formadores têm de ter um papel interventivo enquanto formadores e investigadores da formação, investigar a sua própria prática, na linha do autoestudo. Ou seja, ensinar sobre o ensino através da criação de “espaços onde os alunos futuros professores e os formadores de professores possam analisar e discutir a pedagogia”. 

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Workshop Tablet no Ensino Superior

Decorreu nos dias 10 e 11 de dezembro o 1.º Workshop sobre a introdução do Tablet no Ensino Superior para docentes da Universidade do Porto.
Contámos com a presença de 18 docentes de diferentes faculdades da Universidade do Porto, de modo a conhecer e implementar do ponto de vista pedagógico este tipo de dispositivo móvel em contexto educativo.
Foram dois dias de formação muito entusiasmantes, nos quais a partilha de saber foi uma constante.

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Ponte em Mobile Learning entre Portugal e Brasil

Temos a intenção de estudar a forma com o Mobile Learning poderá melhorar a aquisição de competências dos nossos alunos, promover práticas de inovação pedagógica nas quais se enquadrem os dispositivos móveis como meio.
Pretendemos também aumentar as práticas colaborativas não só entre os alunos, mas também entre os professores. A comunidade prática Super TABi segue essa mesma intenção também no que toca à investigação e constrói uma ponte, que espera por várias travessias entre Portugal e o Brasil num processo de colaboração com a investigadora Rosiney Rocha Almeida.

Deixamos-vos um pequeno resumo da sua atividade:
Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Montes Claros/MG (2004), pós graduação lato sensu pela Universidade Cândido Mendes (2007) e mestrado Profissionalizante em Ensino de Ciências e Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2010).
Atualmente, é professora de Biologia no Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do IFNMG - Campus Montes Claros e doutoranda em Ensino de Ciências pela Universidade Cruzeiro do Sul (2012-2016).
Tem experiência na área de Tecnologia da Informação com ênfase em Tecnologias de Informação e Comunicação aplicadas a Educação, atua principalmente nos seguintes temas: avaliação de objetos de aprendizagem e m-learning. É também bolseira CAPES via PDSE na Universidade Aberta em Lisboa, Portugal.

Exemplo prático:
O uso do tablet para a representação de conceitos de genética: proposta e análise com base na Teoria da Atividade
Rosiney Rocha Almeida, Carlos Fernando Araújo Jr, Meire Pereira França

Este artigo analisa se o uso do tablet pode colaborar com a aquisição da competência de representação de conhecimentos de genética sob a forma de conceitos. Com base nos fundamentos teórico-metodológicos da Teoria da Atividade (TA), foi desenvolvida e analisada uma atividade de representação do conhecimento, que consistiu, dentre outras ações, na elaboração de três mapas mentais digitais, para cada aluno, relacionados a conteúdos de genética. Participaram deste estudo 34 alunos da 3ª série do Ensino Médio, do Colégio Cruzeiro do Sul, localizado na cidade de São Paulo; duas professoras pesquisadoras no âmbito da aprendizagem móvel; e dois técnicos em Informática. Os resultados indicaram uma evolução no número de conceitos adequados representados pelos alunos no decorrer da atividade realizada. Observou-se que o tablet, quando utilizado sob a perspectiva da TA, pode colaborar com a representação de conhecimentos de conteúdos de genética, sob a forma de conceitos.